7 March 2017

Supergirl, A Heroína Que Precisávamos


Porque o 8 de Março está à porta, o Dia das Mulheres, e porque é sempre bom celebrarmos coisas boas que as artes nos dão, seja em jeito de televisão ou de livros que fiquem bem nas nossas mãos. Hoje é dia de falarmos da nova série do canal americano CW, um canal que depois de tantos anos a desiludir-me, finalmente trouxe um bocadinho de luz ao meu ecrã. Um canal que me trouxe a Supergirl.
A actriz que interpreta a Supergirl é talvez conhecida por alguns como a Marley em Glee (2009-2015), trazendo-nos agora a sorridente e divertida Kara Zor-El: Melissa Benoist. Embora nem sempre tenha gostado da sua personagem em Glee, devo dizer que fiquei completamente rendida à forma desastrada como trouxe Kara à vida, tão dedicada ao papel até nos pequeninos pormenores, como o constante acerto que faz com os óculos, sempre a cair-lhe no nariz. 

Kara Danvers para os humanos, é na verdade a prima biológica de Kal-El, o clássico Superman (que, na 2ª temporada, foi interpretado por Tyler Hoechlin, what a fine piece of man). Sempre vivendo em segredo, decide aparecer ao público quando um avião está prestes a despenhar-se com a sua irmã lá dentro. A partir daí, há uma grande aventura para percorrer. 


tumblr
O que é que adoro mais nesta minha heroína? Talvez o facto de viver na sombra constante do Clark Kent, sendo excessivamente comparada ao seu primo, principalmente quando alguma coisa não corre como planeado. Supergirl não é uma história sobre a prima do Superman, mas sim a história de uma heroína disposta a proteger a sua cidade, num patamar completamente distinto do herói de Metropolis. E eu adoro isso nela. A sua individualidade, que não é escondida como em muitos outros filmes com heroínas, que são mais sombras dos protagonistas masculinos do que personagens com a sua própria história. 

Durante o dia, Kara trabalha como assistente de Cat Grant, a dona do império CatCo Worldwide Media. Cat controla os media de National City e afirma-se ser a criadora da Supergirl, tendo vindo dela a origem do sufixo girl e não woman, inicialmente criticado pela própria Kara, escondida na pele da sempre resoluta assistente. Cat personifica a mulher no poder, capaz de encontrar talento em todas as esquinas, agarrando no talento feminino e colocando-o nos vários postos de trabalho que o seu reino oferece. Acaba por tornar-se numa espécie de confidente tanto de Kara Danvers como de Supergirl, sendo uma das minhas favoritas. 


http://dailysupergirlgifs.tumblr.com/post/143640956584

Há também a importância da irmã adoptiva de Kara, Alex. É agente numa organização secreta do governo, a DEO, e - beware of the spoilers - na segunda temporada, apaixona-se por Maggie Sawyer, obrigando-a a confrontar a sua sexualidade e a perceber quem realmente é. Esta personagem teve um enorme impacto na comunidade LGBTQ+, pois temos neste momento uma série de televisão com um sucesso brutal a nível internacional onde uma das personagens principais, após muitos anos sem questionar as suas relações anteriores, apercebe-se dos seus sentimentos e é, para além disso, super bem recebida pela sua família e amigos. 
Como podem ver, Supergirl é definitivamente uma história para mulheres. Há muitos aspectos a considerar para além destas três personagens que eu adoro, como a diversidade cultural que existe em National City, num planeta Terra onde se aprende a aceitar aliens, imigrantes de planetas distantes. No entanto, sinto que não vos posso entregar a história toda, que têm que aprender a gostar desta série como eu aprendi, a pessoa desconfiada cujo um dos super-heróis favoritos desde pequena é o para-sempre-super-homem e que se apaixonou ainda mais por esta Kara, esta Melissa.

Conhecem a série? O que gostam mais nela? Ficaram interessados? As vossas opiniões são bem-vindas. Espero que tenham gostado!

4 comments so far

  1. Eu acompanhei alguns episódios - poucos - e gostei mas não me conquistou.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Os primeiros episódios são sempre mais difíceis de conquistar, mas a série vale verdadeiramente a pena, na minha opinião, claro! :)
      Beijinhos!

      Delete
  2. Eu quero tanto ver esta série por causa do The Flash, uma das minhas séries de super-heróis favorita! É habitual estas duas personagens se encontrarem na série um do outro, daí o meu desejo de as juntar como já fiz com tantas outras. Há uns tempos, até, vi os dois primeiros dois episódios da primeira temporada e fiquei rendida! Para não falar, também, que Supergirl está na minha watchlist de 2017!

    Beijinhos,
    LYNE

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eu estou ao contrário, com imensa vontade de ver The Flash! Se entretanto continuares a ver, diz-me a opinião final :)
      Beijinhos!

      Delete

SHE WRITES © . Design by FCD.